O Retrofit, termo em inglês que significa “atualizar o antigo”, é um processo de modernização e aperfeiçoamento de um imóvel ou ambiente, promovendo sempre que possível a atualização tecnológica do local e, ao mesmo tempo, preservando a sua história. Neste processo, é comum a utilização de materiais sustentáveis e a adoção de tecnologias de ponta visando economia no médio/longo prazo, resultado da redução de custos com manutenção, melhoria da eficiência operacional e energética e aumento da vida útil do imóvel, o que torna ainda mais evidente a sua revalorização.

É uma opção para imóveis tombados ou para escritórios e estabelecimentos que exigem constante manutenção e já não proporcionam boas condições de ocupação e bem-estar dos funcionários. Com o retrofit, esses locais podem passar por intervenções localizadas (fachada, instalações e etc) ou mais abrangentes, de acordo com o objetivo de cada cliente ou projeto.

Segundo Marcus Dantas, diretor e responsável técnico da Retrofit Engenharia, “o retrofit aumenta o valor de qualquer imóvel, tanto para locação como para venda”.

Para garantir um bom resultado no projeto de retrofit, Dantas dá algumas dicas importantes:

1) Planeje:
O planejamento deve levar em consideração a condição atual do imóvel, elencando as intervenções necessárias para atualização e adequação às necessidades do cliente.

2) Mensure:
Para estabelecer a meta do projeto de retrofit, é importante encontrar o equilíbrio do montante a ser investido sem prejuízo das melhorias que garantirão a eficiência da operação no local. “É nesta fase que se priorizam as intervenções viáveis e essenciais para atualização e garantia da satisfação do cliente”, explica Dantas.

3) Fique de olho no investimento:
É importante entender que um projeto de retrofit pode, num primeiro momento, gerar um investimento inicial alto, mas a médio/longo prazo vai gerar economia.

4) Mantenha o foco na economia:
A escolha certa de materiais pode ajudar a reduzir a conta de luz e os gastos hidráulicos, além de reduzir a necessidade de manutenção do imóvel. Entre as possíveis intervenções estão: a revisão e redimensionamento dos circuitos e substituição de lâmpadas antigas por outras de led mais duráveis, a instalação de sensores de movimento, sistemas de reuso de água das pias para reaproveitamento nos vasos sanitários e lavagem de áreas comuns, utilização de esquadrias que vão contribuir para o isolamento térmico dos ambientes exigindo menos do sistema de condicionamento de ar, entre outros.

5) Seja flexível para mudanças:
Como o retrofit moderniza imóveis antigos, durante o processo é possível encontrar imprevistos que poderão gerar alterações no projeto inicial. A flexibilidade para a mudança é importante para melhor atender o imóvel e alcançar resultados mais eficientes.

E, por fim, é essencial contratar o serviço de uma empresa qualificada e reconhecida no mercado, que disponha de uma equipe especializada para garantir o sucesso do projeto. Além disso, a companhia contratada deve observar as normas vigentes como, por exemplo, a NR 35, que determina os requisitos mínimos e as medidas de proteção para garantir a saúde e a segurança dos trabalhadores, e a NBR 157575-1, norma de desempenho brasileira que define retrofit como remodelação ou atualização do imóvel ou de sistemas, pela incorporação de novas tecnologias e conceitos.

Quer acertar em seu projeto de retrofit? Fale com a gente!

Conheça também nosso portfolio. Na foto de destaque, vitrais da Sede da Suco do Bem, casarão antigo em Ipanema retrofitado pela Retrofit Engenharia.

Deixe seu comentário